Sguardi,

Complici,

Attimi rubati al tuo tempo.

La mia esistenza

Legata ad un esile filo trasparente,

I miei occhi posati su di Te,

Come il sole che t’illumina,

Come il mare,

Piccole gocce,

Che si muovono sul tuo corpo sinuoso e caldo.

Attimi brevi,

Sei distesa,

La schiena è come una collina di grano,

Dorata e abbronzata.

Sei immobile,

Eppure sento il tuo respiro lento dentro di me,

Il dolce muoversi del tuo bikini,

L’ondeggiare lento del bikini,

Dove nascondi come uno scrigno il tuo seno.

Il mare luccica sul corpo bagnato,

Ti guardo ancora,

Mi volto,

Ritorno indietro sui miei sguardi

E incrocio il tuo,

Che mi guardi.

Un tuo sorriso

E sento le carezze posarsi sull’anima.

Chiudo gli occhi,

Li riapro,

E incontro ancora una volta i tuoi

Fermi immobili,

Un istante,

Come un tramonto,

E sento il calore addosso

Il sapore del tuo sorriso.

Giuseppe La Mura ago 2020
testo: copyright legge 22 Aprile 1941 n°633
photo: Giuseppe La Mura

Chega – Gaia

Bendita dor me deixe em paz
Bendita dor me deixe em paz
E se ele some quando eu ‘to na cama
Melhor deixar de vez
Pra mim não é que tanto faz
Pra mim não é que tanto faz
Pra mim não vale ir embora já chegou a hora de me tornar feliz
Ela joga nas estradas
Sem mentira pra não ter demora
Sem demoraChega, chega nas estradas
E não vale nada
Ter dinheiro pra viver tão só
Sem amor e paz
Chega, chega nas estradas
E não vale nada
Ter dinheiro pra viver tão só
Sem amor e pazÉ brilhantina, corpo a corpo na balada
Ela não vibra sem um som que não rola na dança
Deixe essa menina solta
É cor de rosa, sorriso e samba, que quando solta seus olhares
Namoradeira e quando corre pé descalça
Deixe essa menina soltaEla joga nas estradas
Sem mentira pra não terChega, chega nas estradas
E não vale nada
Ter dinheiro pra viver tão só
Sem amor e paz
Chega, chega nas estradas
E não vale nada
Ter dinheiro pra viver tão só
Sem amor e pazSem expectativa, saturação da vida
Sem expectativa, saturação da vida
Sem expectativa, saturação da vida
Sem expectativa, saturação da vidaChega, chega nas estradas
E não vale nada
Ter dinheiro pra viver tão só
Sem amor e paz
Chega, chega nas estradas
E não vale nada
Ter dinheiro pra viver tão só
Sem amor e paz

La sabbia calda,

Scivola tra le mie dita.

Accarezzo la ruvidezza della vita,

Gioco mentre osservo lo scorrere del tempo.

Il sole disegna un arco,

Invisibile

Scocca i suoi raggi in mille direzioni

Potrei guardarli tutti,

Però mi soffermo dove brilla il mare,

Il luccichio del sale sulle tue labbra,

Nei diamanti trasparenti,

Quello che vedo,

Nel silenzio dei tuoi occhi.

Giuseppe La Mura ago 2020
testo: copyright legge 22 Aprile 1941 n°633
photo: Giuseppe La Mura